O PROJECTO

A gravidade dos fogos florestais, a representatividade, combustibilidade e importância económica da fileira do eucalipto, e as mais-valias do fogo controlado na gestão de combustíveis recomendam que se examine a possibilidade de uso desta técnica na mitigação do risco de incêndio em eucaliptal.

O projeto FIREglobulus visa criar a base científica para o desenvolvimento tecnológico do fogo controlado em plantações de Eucalyptus globulus. A gestão da biomassa combustível em plantações florestais de espécies de elevada combustibilidade é uma componente essencial da sua gestão racional, visando limitar o potencial do incêndio e permitindo combatê-lo em condições meteorológicas extremas, reduzir o seu impacto ecológico e aumentar o valor dos salvados.

Com este projeto estudou-se o comportamento e severidade do fogo através de queimas experimentais em eucaliptal efetuadas em diferentes povoamentos de eucalipto, com monitorização dos descritores do comportamento do fogo e do efeito nas árvores. Paralelamente foram recolhidas amostras destrutivas para estimar a carga de combustível e o teor de humidade dos combustíveis mortos finos, complementadas por ensaios em laboratório, para avaliar a sustentabilidade da propagação, consumo de material lenhoso e comportamento relativo do fogo.

A análise dos dados relaciona as características do fogo com os descritores do complexo combustível e outros fatores ambientais, analisa o desempenho dos modelos de comportamento do fogo existentes, e desenvolverá uma cadeia de relações preditivas que ligará o piro-ambiente (meteorologia, combustível), o comportamento do fogo, e os seus impactos no combustível e nas árvores.

A exploração operacional dos resultados permitirá definir as condições adequadas de uso do fogo e que são conducentes à satisfação de objetivos de redução de combustíveis sem efeitos nefastos para o eucaliptal.

AVALIAÇÃO DA HUMIDADE DO COMBUSTÍVEL MORTO

A estimação expedita e fiável da humidade do combustível morto e fino é essencial no planeamento operacional do fogo controlado, dada a sua influência na possibilidade de propagação do fogo, características dessa propagação e consumo de combustível.

Foi desenvolvido um modelo que permite estimar o teor de humidade da folhada de eucalipto em função da temperatura e humidade relativa do ar (através do VPD - deficit de pressão de vapor), do FFMC (Índice de humidade dos combustíveis finos, sub-índice de teor de humidade do Sistema Canadiano de indexação do perigo de incêndio) e da velocidade do vento a 10 m de altura. Este modelo foi testado em queimas experimentais independentes sendo o seu desempenho bastante satisfatório.

Foi desenvolvido um modelo alternativo e mais operacional que considera o número de dias desde a última precipitação em substituição do FFMC.

O teor de humidade dos combustíveis lenhosos com diâmetro ≥6mm e <2,5mm, da casca suspensa a 1m de altura e da casca suspensa na base da árvore, pode ser estimado através do teor de humidade da folhada.

AVALIAÇÃO DA CARGA DE COMBUSTÍVEL

A avaliação da carga de combustível (t/ha), é um parâmetro necessário para a predição do comportamento do fogo.

Foi desenvolvido um modelo operacional que permite estimar a carga de combustível total do povoamento em função da espessura média da folhada de eucalipto.

A carga de combustível fino (diâmetro inferior a 6mm), determinante na propagação do fogo, é estimada em função da carga total do povoamento.

AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DO FOGO

SUSTENTABILIDADE DA PROPAGAÇÃO

As variáveis determinantes e os limiares a partir dos quais a ignição é sustentável foram determinados através de uma análise CART (Classification and Regression Tree) com base em queimas experimentais realizadas em laboratório.

Destaca-se o teor de humidade da folhada, a espessura e o tipo de propagação como os parâmetros mais determinantes na sustentabilidade da propagação.

O desempenho do modelo foi validado em queimas experimentais independentes em povoamentos de eucalipto.

VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO E INTENSIDADE

A velocidade de propagação de um fogo constitui a mais básica das variáveis descritivas do seu comportamento. Combinada com a carga de combustível consumido pelo fogo determina o comprimento de chama, que por sua vez expressa a libertação de energia e intensidade de um fogo.

As queimas experimentais realizadas em laboratório tiveram como objetivo avaliar as alterações relativas do comportamento do fogo (velocidade de propagação e intensidade) em função da carga de combustível fino, tomando como referência as 8 ton/ha, limiar a partir do qual o combate direto deixa de ser efetivo em situação de condições meteorológicas adversas, informação relevante a ter em consideração por parte dos gestores florestais.

DANO NAS ÁRVORES

É determinante que o objetivo de redução de combustível seja atingido sem dano nas árvores. Na avaliação pós-fogo mediram-se os indicadores de severidade do fogo na copa (altura de dessecação) e no tronco (profundidade de necrose do câmbio). As árvores continuaram a ser monitorizadas para avaliar uma eventual rebentação.

O modelo preliminar desenvolvido permite prever a probabilidade da árvore não rebentar após uma intervenção com fogo controlado, em função do dap (diâmetro à altura do peito) e da profundidade de necrose no cambio (espessura da linha castanha - LC).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O projeto FIREglobulus promoveu a criação da base cientifica para o desenvolvimento tecnológico do fogo controlado em plantações de eucalipto.

Visa também criar a base científica para o desenvolvimento tecnológico do fogo controlado em plantações de Eucalyptus globulus. A gestão da biomassa combustível em plantações florestais de espécies de elevada combustibilidade é uma componente essencial da sua gestão racional, visando limitar o potencial do incêndio e permitindo combatê-lo em condições meteorológicas extremas, reduzir o seu impacto ecológico e aumentar o valor dos salvados.

O resultado é uma cadeia preditiva, com orientações operacionais, definindo os limites para o uso do fogo e indicando as condições ambientais correspondentes à satisfação de objetivos de queima específicos e quantificáveis.

É possível através de um modelo empírico estimar de forma expedita e operacional o teor de humidade da folhada, baseado na temperatura e humidade relativa do ar, complementado por outras variáveis que explicam o processo de secagem após a precipitação.

O bom desempenho do modelo desenvolvido em laboratório para a sustentabilidade da propagação do fogo quando aplicado a queimas experimentais no campo, sugere que não existem problemas de escala, e que como tal é possível extrapolar para o campo estes resultados.

O resultado final será um guia de campo para a prescrição e aplicação operacional de fogo controlado em povoamentos de eucalipto.

TRANSFERÊNCIA TECNOLÓGICA E PUBLICAÇÕES

No âmbito das atividades de divulgação do projeto e seus resultados foram efetuadas diversas apresentações e publicações, disponíveis em formato pdf.